Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Nervoso Miudinho

blog humorístico (esperemos) sobre tudo e mais frequentemente sobre nada

18
Out17

tem de dormir é de noite

nervosomiudinho.blogs.sapo.pt

Começa a cansar-me por demais a escolha da repetição da ignorância. Por três vezes seguidas me disseram isto. Por três vezes lhe expliquei que não. Desde que ele nasceu que fala nas sestas durante o dia. Desde que nasceu que lhe dizemos que de dia dorme com luz e que sempre dormiu mais profundamente de noite. Numa próxima não vai correr bem. 

 

 

Follow
04
Out17

Curiosíssimo

nervosomiudinho.blogs.sapo.pt

Nós é que temos um bebé, recém nascido, ou com menos de três meses e somos nós que respeitamos horários de confraternizações. Conseguimos, a muito custo nosso e com necessidade de planeamento respeitar os horários dos convites que nos fazem ou que fazemos. Quem se está a marimbar para os horários que damos ou que eles próprios dão: todo o resto das pessoas. Fizemos um jantar no fim do primeiro mês: andar a ver horário de mamada, tratar das coisas, estava a dormir na alcofa à hora certa. As pessoas atrasaram-se mais de uma hora. Resultado: estava acordado à hora que jantámos e não pude jantar descansada. Vários almoços e jantar das mesmas pessoas: nunca à hora que é dita nem sequer no prazo de uma hora depois, já tive que dar vários toques para começarmos a comer, até sem um casal que chega sempre já estamos a comer. Resultado: mal acabamos de comer saímos e somos nós que parecermos apressados e que não convivemos, pese embora sejamos os primeiros a chegar e sempre 10 minutos antes da hora "marcada". Sabem lá vocês o que isto me chateia e me apetece falar. Só em casa da minha mãe é que um almoço à uma, está na mesa pontualmente à uma. 

Follow
26
Set17

Expectativas irreais sobre bebés

nervosomiudinho.blogs.sapo.pt

Tenho lido muitos grupos sobre bebés e sono. Uma mãe a perguntar o que fazer porque o filho tinha 15 dias e acordava de duas em duas horas para mamar. Quinze dias. O bebé ainda nem sabe que está fora da mãe.  E perguntas iguais para 1 mês ou 2. Que ideia de maternidade lhes venderam? Queriam que o bebé já viesse a fazer três refeições por dia como os adultos? Queriam mesmo um bebé ou gostavam da ideia de ter um bebé? Se calhar não queriam um recém nascido, queriam um adolescente em corpo de bebé.

Sempre que se fala de sono de bebés há sempre aquele caso do bebé da amiga que dormia noites inteiras desde que nasceu, e toda a gente quer um assim. Muito bonito mas perigoso, bebés recém nascidos não têm bom controlo glicémico, o ele acorda se tiver fome não é bem verdade, pode ficar hipoglicémico e sem capacidade de acordar.

Certo que toda a gente sabe que vai dormir pouco mas nunca se está verdadeiramente preparado para dormir assim, até aí tudo bem. É difícil viver com sono partido, mas não é nenhum drama franciscano, quando ele de facto dá uma noite mais chata, ou decide que não quer adormecer, aí sim, são uma dores de cabeça jeitosas e umas olheiras até ao umbigo. Queriam um bebé com uma semana que fosse preparar o biberão sozinho, bebesse e arrotasse sozinho?

 

Esta sociedade quer programar bebés como se fossem robots de cozinha. O bebé só está a ser bebé, tem ciclos de sono curtos, em geral uma a duas horas e não tem capacidade para adormecer ou se confortar sozinho.

O meu filho dormiu quatro horas seguidas meia dúzia de vezes desde que nasceu. O mais comum é dormir duas horas seguidas. A partir das 6 da manhã até só dorme uma hora de cada vez a não ser que esteja no colo. Se eu era uma pessoa mais feliz se ele dormisse mais horas, tipo quatro, se só amamentasse duas vezes por noite? Pois com certeza. Mas ele não é um bebé de catálogo, nem eu sou uma mãe de catálogo. Não se pode ter tudo. Ele é super desperto, interactivo e falador desde cedo, o que resulta que não é um bebé dorminhoco, ou que durma muitas horas seguidas. Já tive tanta sorte, sou tão abençoada com ele que não peço mais nada. Ou melhor, (minto, na verdade pedia uma noite de 4/5 horas uma vez por semana e sem o sono de uma hora só). Claro que me vai ser mais difícil quando for trabalhar, mas para já não é tudo rosas nas noites, mas aguenta-se bem.  

Follow
25
Set17

Faz sentido

nervosomiudinho.blogs.sapo.pt

No Shopping a zona dos fumadores (com muito má extracção por sinal) estar exactamente em frente aos elevadores que é o único sítio pelo qual os bebés e crianças pequenas são obrigados a passar. 

Follow
22
Set17

Faz sentido

nervosomiudinho.blogs.sapo.pt

Lojas de puericultura com corredores onde não passa o carrinho de bebé. Corredores onde passaria o carrinho mas estão cheios de produtos em exposição no caminho. 

Follow
20
Set17

Conselho de mãe, ou no caso de avó para mãe

nervosomiudinho.blogs.sapo.pt

Naqueles primeiros quinze dias fui muito zelosa dele, poucas visitas, pouco tempo, entre outros. Sem problemas ou arrependimentos, faria novamente. Numa das situações que contarei depois não me respeitaram a privacidade e dei-lhe sinal. Ele foi dar a mensagem. A pessoa ficou amuada. Para mim foi igual ao litro, na vez seguinte fui eu que tive de verbalizar. Ele pediu desculpa por não ter reparado e não me ter protegido. Aliás, conselho do curso de preparação para o parto: o pai como moderador de visitas e protector da mãe e bebé. Diz-me a minha mãe, ah e tal tem cuidado, olha que as pessoas ficam chateadas. Gargalhei. Mas com vontade mesmo. Então, eu é que tenho de ter cuidado com sentimentos alheios? Que grande piada. Eu, depois de tudo o que me aconteceu, primeiro filho, mãe há uns dias, hormonas no máximo, privação de sono, novas responsabilidades, habituação a um novo papel, já disse hormonas no máximo? Eu é que tenho de dar um desconto às pessoas? Eu é que tenho que ceder, ou permitir o que não quero? Ahahahhahah 

Follow
25
Ago17

desmontar argumentos tipificados

nervosomiudinho.blogs.sapo.pt

Há coisas mais importantes.

 

Não o há sempre? A não ser que se fale de vida e morte, ou necessidades básicas, não há sempre coisas mais importantes? Que raio de argumento. Prioridades,são isso mesmo, prioridades, não implicam que nos foquemos apenas num aspecto da vida. As prioridades são uma coisa curiosa. São uma construção socio-cultural e como tal variam, além de que são uma construção pessoal, variam em todos nós, daí que ache estranho que alguém ache que as suas prioridades têm de ser as do mundo. Se eu defender a vida de golfinhos, quer dizer que condeno a morte de elefantes? Se eu me associar a causa de sem abrigos, sou contra os direitos dos animais?  A mais comum, se eu defender os animais quer dizer que não me importo com as pessoas?

 

O argumento das coisas importantes é muito perigoso. Porquê? Porque é muito versátil. Nos EUA, no fim da escravatura, podiam os negros não ter direito a voto, porque afinal há coisas mais importantes e até nem eram escravos. O mesmo para o direito ao voto nas mulheres. Não havia coisas mais importantes? Como literalmente o saneamento básico, e as doenças. 

 

Por esta linha de pensamento não se subsidiava artes nem desporto. Porque afinal há pessoas abaixo do limiar da pobreza e vai haver sempre. Não havia programa espacial, espectáculos, hobbies, férias. Um sem número de tecnologia que nos facilita a vida e nos entretém desapareceria, porque afinal há coisas mais importantes. 

 

Follow
26
Jul17

Há um tipo especial de inferno reservado às pessoas

nervosomiudinho.blogs.sapo.pt

Que observam tudo o que fazes, ou que fazem perguntas até encontrarem qualquer coisa para que possam dizer: não podes fazer isso que se habituam. Se não houver, inventam. Como estarem a falar alto, e ele a dormir no carrinho, e tu, claro, estás a abanar o carrinho para que ele volte a dormir. É logo: não o podes habituar a dormir assim embalado senão depois só quer isso. Oh, façam me o favor de se ir encher de moscas. Estão mesmo à espera seja do que for para dizer que não podemos e estamos a fazer mal. Até se inventa quando não há. Já disse que não, li e está errado. Ah, eu tive três filhos, eu sei. Curioso, pessoas com três filhos não faltam, é só especialistas, nem sei porque há investigação, livros de profissionais, com tanto expert de trazer por casa. Mais giro, a pessoa em questão é homem, e quem tratou dos filhos foi a sogra, porque trabalhavam, sabe lá ele o que a sogra fazia para lhe adormecer os filhos. Na altura dele tinha direito ao dia do nascimento, não passou o primeiro mês na companhia dos filhos 24h/dia.No máximo é especialista nos três filhos dele, e convenhamos que lembra-se lá de há 30 anos, dos filhos com um mês, no máximo lembra-se dos filhos com meio ano, um ano. Acho que as pessoas da geração seguinte têm alguma dificuldade em aceitar que as pessoas que ajudaram a criar, estão, voila, criadas, que têm filhos próprios e que são responsáveis e autónomos. E que os anos oitenta não são modelo para nada, os cintos de segurança não eram obrigatórios nem atrás nem à frente, não havia cadeirinhas de transporte de bebés e crianças, era tudo em alcofas e uma travagem mandava a criança para o chão do veículo, e querem dizer-me para não o embalar?! 

Follow
24
Jul17

As visitas

nervosomiudinho.blogs.sapo.pt

Comecemos pelo início. Ninguém mais do que eu quer mostrar esta fofura pequena, quero mostrar a toda a gente que conheço, agradecer o amor que nos dedicam e partilhar a nossa felicidade. 

Depois vem a realidade. Os primeiros 12 dias após o parto eu estava dorida, inchada, cansada e a habituar-me às minha novas responsabilidades, além de pais e irmãos era absolutamente impossível receber fosse quem fosse. Aliás, todo o primeiro mês é para esquecer. É recém nascido, é só nosso, tem poucas defesas. Por muito que quisesse receber visitas a minha prioridade máxima é ele, nem há dúvida absolutamente nenhuma. Depois estamos nós, e para nós enquanto família e para as nossas rotinas receber visitas cria caos. Há visitas que só querem mexer nele, que o agitam, e receber pessoas em casa implica não descansarmos, darmos um jeito à casa, vestir-me, pentear-me.Não aproveitar uma oportunidade para descansar, domir, tomar um banho e lanchar em condições é complicar esse dia e essa noite. Tive que rejeitar algumas visitas, adiando a maior parte. Depende sempre do dia que ele e nós estamos a ter, e não tenho remorso nenhum. Em todo o caso devia ser conhecimento comum que visitas no primeiro mês são mesmo só para avós, irmãos e dois ou três amigos muito chegados. Mais, as visitas devem respeitar os pais e o bebé, nunca acordar, mexer o mínimo possível, e não devem esperar pegar nele ao colo, a verdade é que a maioria foi assim, mas quando assim não é, a fatura que pagamos é enorme. É um recém nascido, come e dorme, terão muito tempo para interagir com todo o gosto nosso. 

Follow
23
Jul17

Satisfeitos?

nervosomiudinho.blogs.sapo.pt

Três horas de choro. Sobre-estimulação que resultaram em horas de berros. Espero que estejam satisfeitos. Espero, sobretudo, que tenham decorado a cara dele, porque tão cedo não lhe metem a vista em cima. Nem os dedos. Enquanto me lembrar. Será importante referir que tenho óptima memória. Será difícil? Num recém nascido mexe-se com os olhos, sobretudo os fumadores que não se devem colocar a centímetros da carinha dele falando aos berros. Uma visita não acorda um bebé a dormir em nenhuma circunstância, nem para ver os olhinhos nem para ver caralho nenhum. O bebé não é o vosso adereço. Não me parece ciência espacial. Quando  mais chegadas, quanto mais família pior. Melhores visitas: pessoas sem filhos, não opinam muito, não oferecem conselhos não solicitados e obsoletos, não generalizam com base na sua experiência, respeitam os pais e o bebé. 

Follow

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Também estou no facebook

Follow

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

subscrever feeds

Comentários recentes

As imagens apresentadas no blog são na sua maioria retiradas da internet, se as fotos lhe pertencem e/ou têm direitos de cedência de imagem, por favor envie um email que eu retiro. nervosomiudinho@sapo.pt